06/07/17

logo-informativo.jpg-melhorado-PARA-PORTAL

Campos dos Goytacazes, quinta, 06 de julho de 2017. Nº 3.695

Faperj deve R$ 432 milhões em projetos de pesquisa

Diretor científico da Faperj, Jérson Lima  proferiu palestra esta tarde no IX CONFICT e II Congresso de Pós-Graduação

O diretor científico da Faperj, Jérson Lima e Silva, disse na tarde desta quinta-feira, 06/07/17, na UENF, que a Fundação deve R$ 432 milhões, referentes a projetos de pesquisa contratados e não pagos em 2015 e 2016. Jérson participou, como palestrante, do IX Congresso Fluminense de Iniciação Científica e Tecnológica (CONFICT) e II Congresso Fluminense de Pós-Graduação, no Centro de Convenções da UENF, abordando o tema “Um projeto de Ciência para o Brasil”.

Apesar dos problemas financeiros, ele se mostrou otimista em relação ao futuro, afirmando que não continuaria no cargo que ocupa se não acreditasse que a “crise” vai passar. Professor da UFRJ, Jérson fez críticas aos governantes por estarem cortando os gastos nas áreas de Educação e Ciência e Tecnologia.

— São recursos relativamente pequenos. O que a Faperj deve hoje, por exemplo, equivale a um quinto de uma folha de pagamento. E são investimentos que nos darão retorno lá na frente – disse.

Jérson iniciou a palestra enfatizando os avanços da Ciência no Brasil na última década, resultantes de um aporte financeiro maior à área. Ele citou, por exemplo, a 13ª posição alcançada mundialmente pelo país no número de publicações científicas em periódicos indexados — posição que recentemente caiu para 14ª. Como outro avanço, informou que o Brasil chegou a formar mais de 1.600 doutores por ano, além de atrair crescente número de centros de pesquisas de grandes empresas para o País.

— Os avanços foram significativos. Em 2015-2016, o Brasil gerou 13% dos artigos científicos, em todo o mundo, sobre o zica vírus, dos quais 4,4% foram produzidos no Estado do Rio de Janeiro. Muito do conhecimento que desenvolvemos sobre petróleo e águas profundas veio de grandes investimentos nesta área neste período, que agora estão diminuindo, o que é muito preocupante — afirmou.

No Estado do Rio de Janeiro, o crescimento do volume de recursos colocados na ciência, na última década, levou a números importantes. O estado obteve, por exemplo, excelência na pós-graduação, com um crescimento de 15% no número de programas de pós-graduação  com conceito 5, 6 e 7 de 2010 a 2013. Também obteve excelência universitária, com quatro univesidades entre as melhores do País.

Segundo o professor, um dos grandes desafios brasileiros é aumentar o número de cientistas, além de aumentar o percentual de recursos públicos para a ciência. Em 2011-2012, estes recursos eram da ordem de 1,2% do PIB e hoje, segundo Jérson, devem ser menos de 1% — muito abaixo de países como os Estados Unidos, Japão, entre outros.

— Não se faz ciência sem dinheiro. Também não dá pra manter a Ciência funcionando só com o pagamento de bolsas. A área experimental precisa de dinheiro. Se o Brasil quer se desenvolver precisa investir em ciência — disse.

O encerramento do evento ocorre nesta sexta-feira, 07/07/17, às 16h30. Às 14h, será realizada a mesa-redonda “Financiamento da pesquisa em instituições públicas brasileiras”. Participam da mesa-redonda o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social do Estado do RJ, Pedro Fernandes; o presidente do CONFIES, Fernando Otávio Freitas Peregrino (COPPE/UFRJ); e o professor Eduardo Atem de Carvalho (LAMAV/UENF). O moderador será o superintendente de Ciência, Tecnologia e Inovação de Campos dos Goytacazes, Romeu e Silva Neto.
Veja a programação completa aqui.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF)

Gerência de Comunicação (ASCOM)
Av. Alberto Lamego, 2.000 – Parque Califórnia – Campos (RJ)
Telefones: Ascom: (22) 2739-7815 / 2739-7813
Reitoria: (22) 2739-7003
Email: uenf@uenf.br
Gerente de Comunicação: Marco Antônio Moreira