15/08/13

Informativo da UENF

Campos dos Goytacazes (RJ), quinta, 15 de agosto de 2013 – Nº 3.175

UENF celebra duas décadas nesta sexta

O Centro de Convenções da UENF ganhará o nome de Oscar Niemeyer

Centro de Convenções da UENF, que nesta sexta passa a se chamar Oscar Niemeyer

O ponto máximo das comemorações pelos 20 anos da UENF ocorre nesta sexta-feira, 16/08, quando será realizada a Sessão Solene do Conselho Universitário (CONSUNI) em alusão ao aniversário da UENF. Na ocasião, o professor Helion Vargas, do Laboratório de Ciências Físicas (LCFIS) da UENF, receberá a Medalha Darcy Ribeiro — a mais alta honraria concedida pela instituição. Também serão homenageados servidores, ex-reitores e o ex-deputado estadual Fernando Leite Fernandes, autor do projeto de lei que incluiu a criação da UENF na Constituição Estadual de 1989.

As atividades começam às 14h, no Centro de Convenções. Antes da Sessão Solene do CONSUNI, será descerrada a placa que dá o nome do arquiteto Oscar Niemeyer ao Centro de Convenções da UENF.  Em seguida, haverá a inauguração das estátuas de bronze em homenagem a Leonel Brizola, Darcy Ribeiro e Oscar Niemeyer — trio cujo papel foi crucial na implantação da Universidade. As estátuas foram esculpidas pelo artista plástico Hildebrando Lima, formado pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

— Em nome da comunidade universitária, quero agradecer a quem sonhou com a Universidade, a quem acreditou no sonho, a quem trabalhou para que se tornasse realidade e a quem abriu mão de interesses pessoais ou partidários legítimos para que o projeto UENF se concretizasse. Sem o empenho da população de Campos no movimento pró-UENF, não estaríamos comemorando esta data tão especial — disse o reitor da UENF, Silvério de Paiva Freitas.

Durante a Sessão Solene, serão homenageados todos os ex-reitores da UENF: Wanderley de Souza, Eugênio Lerner, Pedro Carajilescov, Adilson Gonçalves, Salassier Bernardo, Raimundo Braz Filho e Almy Junior.Também serão homenageados os professores da UENF Eulógio Carlos Queiroz de Carvalho (CCTA), José Ramon Arica Chavez (CCT), Arlete Parrilha Sendra (CCH) e Carlos Eduardo de Rezende (CBB), além dos técnicos José Accacio da Silva, Verlaine de Oliveira Pereira, Luiz Alberto da Graça,  Aline Cerqueira Barbosa Vitoi Fonseca, Carlos André Pereira Baptista e Fernando César Lopes. A homenagem se estende aos ex-alunos Erik da Silva Oliveira (representando a pós-graduação) e Dáfine Aparecida (representando a graduação), bem como a assistente social Maria Helena Ribeiro de Barros Barbosa (autora do mais antigo projeto de extensão ainda em funcionamento).

Às 9h, a Câmara Municipal de Campos realiza uma Sessão Solene em homenagem à Universidade. Proposta pela vereadora Maria Auxiliadora Freitas de Souza, a sessão vai homenagear personalidades que contribuíram para a criação e o desenvolvimento da UENF, como reitores, governadores e pessoas ligadas ao movimento pró-UENF. Veja abaixo entrevista com a vereadora Maria Auxiliadora sobre a iniciativa de homenagear a UENF em seus 20 anos.

‘Projeto da UENF é fantástico’, diz vereadora

Maria Auxiliadora Freitas, vereadora (PHS)

Auxiliadora articulou sessão solene

Presidente da Comissão de Educação, Cultura e Desporto, a vereadora Auxiliadora Freitas (PHS) articulou a sessão solene da Câmara Municipal de Campos em homenagem aos 20 anos da UENF, nesta sexta, 16/08/13, às 9h. Pedagoga, psicopedagoga e com vários itens de especialização no currículo, além de ex-secretária municipal de Educação, a vereadora afirma que a conquista da UENF foi uma experiência que precisa se manter viva na memória coletiva.  Ela ressalta a contribuição da Universidade para o progresso de Campos e região e se coloca à disposição para ajudar a ampliar a sinergia entre Universidade e Legislativo. Confira a entrevista, realizada por e-mail:

ASCOM:  Consta que a senhora articulou a sessão solene da Câmara em homenagem aos 20 anos da UENF. Por que uma sessão do Legislativo para tratar da Universidade?

Auxiliadora: Hoje estou vereadora. Mas, antes de assumir este cargo, que considero tão importante, sou professora pública. Ocupei diversos cargos na esfera da administração pública na área de educação e sempre trabalhei muito em defesa das causas do magistério, por acreditar no poder de transformação da educação, desde o nível fundamental aos mais elevados conceitos de saber. Sem dúvida alguma, a criação da UENF constituiu um avanço que possibilitou o desenvolvimento e progresso da nossa região, mediante seu elevado conceito de ensino científico e tecnológico, fundamentais para a consecução das potencialidades vocacionais de Campos e municípios vizinhos. E o transcurso de seus 20 anos de existência não podem ser esquecidos, e a maneira que nós encontramos para perpetuar sua fundação foi justamente a realização desta sessão. A nossa UENF, que surgiu de um movimento popular para sua instalação em Campos, foi um momento histórico e não pode se perder. Relembrar a história e preservar uma identidade de luta é o mínimo que podemos fazer. A UENF foi sonhada por muitos e isto tem que estar vivo na memória e no coração de nossa gente para termos como exemplo a união em torno de um ideal que tornou um sonho em realidade e que realidade se tornou uma das instituições de melhor desempenho no cenário acadêmico de nosso país.

ASCOM: Todas as instituições públicas brasileiras foram de certo modo desafiadas pelas recentes manifestações populares a afinar sua sintonia com a sociedade. Isto provavelmente vale para as casas legislativas e também para as universidades públicas. A senhora acha possível uma aproximação entre a UENF e a Câmara Municipal de Campos no sentido de se colocarem ambas mais incisivamente a serviço do interesse público? Em caso positivo, como articular tal aproximação?

Auxiliadora: Desde antes destas manifestações, a Câmara de Campos vem buscando estar em sintonia com a sociedade mediante a realização de diversas audiências públicas, fóruns, seminários e sessões especiais, onde discutimos sobre os serviços prestados pelas concessionárias Ampla e Águas do Paraíba; a transição do Cheque-cidadão à assinatura da carteira de trabalho, para promover a independência financeira dos munícipes que recebem este benefício de R$ 100; sobre educação e saúde; e a discussão da Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO. A primeira deliberação da Casa foi justamente o contingenciamento dos salários dos vereadores e cargos comissionados em 10%. Foram criados vários grupos de trabalho para tratar de assuntos importantes, como a fiscalização de casas de espetáculos, após a tragédia na Boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande no Sul. Também foi criado o grupo de trabalho de reforma da Lei Orgânica, onde a comissão que eu presido (Educação, Cultura e Desporto) realizou diversas reuniões para discutir o novo texto com várias instituições, inclusive a UENF.

Entendo que a aproximação do Legislativo com a Universidade é de fundamental importância para a identificação de demandas do universo acadêmico que necessitem de regulamentação por lei no município, bem como para o embasamento e sustentação de iniciativas legislativas dos vereadores de um modo em geral. E essa articulação depende apenas de uma maior interatividade entre as instituições, e estou ao inteiro dispor para fazê-la em nome da Câmara através da Comissão de Educação, Cultura e Desporto.

Porém, a aproximação do Poder Legislativo deve se dar não só com a UENF, mas com os demais setores e instituições da sociedade. Seria injusto não reconhecer que já desde antes desta grande onda de protestos espalhados por todo país, a Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes tem estado de portas abertas para o povo e para a sociedade. As pesquisas no campo educacional são fundamentais para nortear, por exemplo, políticas públicas de educação e podemos em parceria viabilizar projetos de leis com consistência teórica e prática a partir dos trabalhos de pesquisa da Universidade.

ASCOM: Em sua visão como cidadã e como agente política, onde o projeto da UENF tem sido bem sucedido e onde precisa de reforma (e de que natureza ou em que direção)?

Auxiliadora: O projeto da Universidade é fantástico e favoreceu em muito, nos últimos 20 anos, ao desenvolvimento científico e tecnológico de Campos e região. Entretanto, era de fundamental importância que a Universidade procurasse buscar uma identificação maior com a sociedade, buscando uma forma de levar as pessoas de um modo em geral para dentro do campus mediante a realização de cursos e o oferecimento de palestras, seminários e fóruns constantes e permanentes para a comunidade. Uma demanda muito grande é de profissionalização para os jovens de nossa cidade. Quem sabe um olhar para projetos de extensão nesta área não seria um caminho para que a universidade ampliasse o seu atendimento no que se refere a sua responsabilidade social.

Ampliar seu atendimento na área de educação uma vez que estamos percebendo o fechamento de cursos na formação de professores em nível superior. A universidade amadureceu, se solidificou. Conquistou resultados positivos como uma das melhores do país, mas penso que precisa se expandir e abrir-se a população, que acalentou a sua efetivação .

ASCOM: Ouço gente queixosa de que a Uenf ainda seria muito “fechada” e indiferente às demandas locais e regionais, apesar dos esforços em contrário, e também pessoas da Universidade meio desencantadas com a possibilidade de parcerias com o poder político, apontado como instável, sem perspectiva de continuidade e excessivamente focado na lógica eleitoral. Dá para desfazer este nó? Como?

Auxiliadora:Penso que as administrações e gestores públicos precisam entender que o país mudou, que a forma de fazer política tem que ser planejada, participativa e com foco no cidadão. Não haverá mais condições para governantes que fazem da ciência política uma prática de política rasa. O processo de globalização, a era tecnológica e das redes sociais estão contribuindo para a formação de uma massa crítica diferenciada. A descontinuidade administrativa aos projetos e políticas exitosas é perversa com o cidadão brasileiro. Na reformulação da nossa Lei Orgânica colocamos uma seção voltada a Ciência e Tecnologia o que considero de fundamental importância para o estabelecimento de proximidade e efetivação real de políticas públicas prioritárias e consistência ao desenvolvimento da cidades e região. Por se tratar de uma universidade de ponta, é lamentável que a UENF seja instrumento de acomodação política. Isto percebemos com tristeza ser uma prática na atual administração estadual. A criação de um conselho que assegure a participação da comunidade e a gestão compartilhada podem ser o desentrave desta questão.

Saiba mais sobre os 20 anos da UENF nas reportagens publicadas na Revista Nossa UENF especial de aniversário:

A criação da UENF foi um parto

Autonomia: momento histórico

A marca de Niemeyer

 

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

 Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF)

Diretoria de Informação e Comunicação (DIC) / Gerência de Comunicação (ASCOM)
Av. Alberto Lamego, 2.000 – Parque Califórnia – Campos (RJ)
Telefones: Ascom:  (22) 2739-7119 /8841-2139
Reitoria: (22) 2739-7003
Disque-Uenf:  0800 025 2004 (ligação gratuita)
Jornalistas: Gustavo Smiderle e Fulvia D’Alessandri
Publicitário: Felipe Moussallem
Estagiárias de Jornalismo: Letícia Barroso, Rebeca Picanço e Thaís Peixoto
E-mail: uenf@uenf.br